Mark Shuttleworth fala sobre o futuro do Ubuntu

Com mais de 8 milhões de usuários, o Ubuntu Linux é uma das distribuições Linux mais populares. Mas qual é sua missão? Ubuntu e Canonical, o seu principal patrocinador comercial, são realmente tudo isso? Ubuntu tem desktop e versões de servidor, e se prepara para focar no usuário e os serviços de nuvem, que estão definidos no novo Ubuntu Karmic. Com todos os produtos e direções diferentes, o fundador do Ubuntu, Mark Shuttleworth foi confrontado com perguntas sobre o foco e a definição da distribuição, bem como a rentabilidade da sua empresa.

Shuttleworth tentou explicar:

“A missão da Canonical é a entrega de todas as vantagens do software livre a uma variedade de público”, disse Shuttleworth. “Começamos com o desktop, porque pensávamos que era o lugar que nós poderíamos causar o maior impacto. O ambiente desktop foi muito negligenciado e, ao mesmo tempo, houve mudanças na infra-estrutura do núcleo do Linux ao nível do kernel que nos tornaram confiantes de que poderíamos surpreender as pessoas em como fácil [era] instalar e usar o ambiente desktop se alguém estivesse atento a ele. “

Ubuntu concorre com múltiplas distribuições Linux, incluindo os da Red Hat e Novell, assim como distribuições baseadas na comunidade. Tanto a Red Hat e Novell oferecem desktops corporativos do Linux, apesar de os esforços específicos voltados para o público em geral não são atualmente o principal foco.

Shuttleworth disse que o Ubuntu tem sido bem sucedido na expansão da pegada desktop Linux, e agora está interessado em aumentar o número de locais onde pode entregar os benefícios do software livre.

“Nós já fizemos vários trabalhos com o ecossistema de desenvolvedores e agora estamos cada vez mais interessados no ecossistema de consumidores não-desenvolvedores, então é pra isso todo o trabalho em torno de OEM,” Shuttleworth disse, declarando que seu foco está em “fazer com que o Ubuntu venha pré-instalado e esteja disponível na Dell.com e outros,  certificando-se que o Ubuntu é a alternativa ao padrão Windows. “

Ele acrescentou que a Canonical tem uma visão semelhante para o Ubuntu em servidores e na nuvem. Ele admitiu que, tendo diferentes produtos para diferentes segmentos de mercado não representa alguns desafios reais para a Canonical como uma pequena empresa.

Em termos de estrutura organizacional da empresa, Shuttleworth disse que há uma equipe da plataforma central do Ubuntu na Canonical, que é dividido em grupos desktop, servidor, móveis e netbook. Na frente de vendas e marketing, grupos separados são encarregados com foco em OEM, os esforços das empresas e dos consumidores.

“É um desafio”, disse Shuttleworth. “Mas o verdadeiro prêmio para nós é mostrar que o ecossistema do software livre pode ser entregue como uma plataforma que se estende desde os dispositivos mais leve até os mais pesados.”

Ele acrescentou que existem benefícios reais para ter uma plataforma completa, dando aos desenvolvedores a oportunidade para desenvolver e implantar aplicativos usando a marca do Ubuntu Linux.

“A consistência da plataforma e do ecossistema é muito importante para nós e para nossos usuários. É por isso que demos a nós mesmos a mais difícil tarefa de entregar uma plataforma completa em vez de ir para um nicho de mercado específico”, disse Shuttleworth. “O tempo dirá se é viável. É maravilhoso fazer o impossível enquanto não é realmente impossível. Estamos certamente surfando perto da borda da linha.”

Mas o mix de produtos amplo representa uma ameaça para a rentabilidade da Canonical, pelo menos no curto prazo. É uma preocupação que Shuttleworth reconhece, mas ele vê o forro de prata, a longo prazo.

“Eu não tenho preocupações quanto a nossa capacidade de ser rentável”, disse Shuttleworth. “Se necessário, teríamos a opção de se concentrar em áreas específicas, que já são auto-sustentáveis. Minha preferência é empurrar a organização mais rapidamente para continuar a investir e continuar a criar a sensação de uma plataforma completa.”

A Canonical é uma empresa privada, e Shuttleworth não divulga seus resultados financeiros. No ano passado, ele admitiu que a Canonical fechou no vermelho.

“A lucratividade é uma questão de escolha a respeito de quanto estamos dispostos a investir, querer ver o retorno adequado sobre o investimento e se nós o vemos como a coisa certa a fazer”, disse Shuttleworth. “Agora eu estou absolutamente convencido de que queremos estar entregando o Ubuntu como uma solução end-to-end, e que nos obriga a investir em vários campos de batalha, ao mesmo tempo.”

Helbert Rocha

Business & Linux Admin | Digital Mkter | Live in Rio | Love Jesus
Google+