Por que o Windows causa estupidez

Sim! O Windows incentiva, recompensa, e praticamente exige estupidez por parte de seus usuários. E vamos explicar o motivo. É uma longa jornada, mas você vai concordar conosco. “Eles tornaram possível qualquer pessoa usar um computador”, e outras frases de efeito tendem a destruir alguns argumentos. E não é porque eles são pontos válidos, mas porque eles são praticamente impossíveis de contrariar; eles são pontos perfeitamente válidos mas em um contexto totalmente diferente do que os nossos argumentos estão. Então, vamos partir do zero com as seguintes afirmações: o Windows desestimula e atrasa o avanço da indústria de sistemas operacionais; o Windows encoraja, premia e praticamente demanda estupidez de parte de seus usuários, e além disso, influencia a qualquer um que lide com os seus usuários.

Estupidez não é um insulto

Se você não sabe algo, você é estúpido sobre esse algo. Sou muito estúpido em engenharia automotiva, muito estúpido em pecuária, agricultura e bioquímica. Se você não entende de computadores, você é um estúpido em computadores. Admita! Você é estúpido em relação a computadores. Não é um estigma, é uma admissão, e é uma coisa positiva. Significa “eu não sei isso”, o que não deve ser visto como algo negativo, mas como positivo. Não é um vazio absoluto. É um vazio pronto para ser preenchido com o conhecimento.

O que vamos fazer é explicar como a Microsoft em geral, e o Windows em particular, incentiva e divulga a estupidez e como isso tem infestado a indústria. Então, por onde começar? Na verdade, há uma ampla gama de temas gerais aqui em pauta. Há um monte de teorias da aprendizagem e psicologia comportamental. Não sou psicólogo comportamental. Apenas observo o que acontece na indústria de sistemas operacionais. Entre todos esses temas, a primeira coisa que podemos ver é o conceito de curvas de aprendizagem e o seu efeito no longo prazo.

Ok. Eu sou um estúpido. E agora?

Agora vamos aos conceitos. Os conceitos subjacentes ao Unix™ e ao Windows são diametralmente opostos. Não vamos entrar em detalhes, exceto quando necessário para ilustrar algum ponto. Não estamos tentando convencê-lo de que o Unix é melhor. Certamente não vamos entrar em guerras religiosas aqui. Pense no Unix não como um sistema operacional, mas como uma abordagem para sistemas operacionais.

A diferença entre a filosofia do Unix e a filosofia do Windows é muito grande e clara. Mas tudo pode ser resumido em uma questão: inteligência. E é isso que vamos tratar aqui. O Unix e o Windows armazenam a inteligência em lugares diferentes. O Unix armazena no usuário; o Windows armazena no sistema operacional. Parece uma pequena e simples diferença em si, mas quanto mais de perto você olha, maior ela fica até que se torne uma enorme fenda.

windows cat stupid

Curva de Aprendizagem

Vamos ao conceito de “Learning Curve”. A maioria das pessoas têm pelo menos uma compreensão básica do conceito, mas para aqueles que não fazem ideia do que seja, aqui vai um rápido resumo. A curva de aprendizagem (de alguma coisa) é uma medida da taxa na qual você aprende ou é obrigado a aprender sobre algo. Quanto mais íngreme a curva de aprendizado, significa que algo exige muito aprendizado inicial. Dada essa definição, dizemos que o Unix tem uma curva de aprendizado mais íngreme se comparada ao Windows, que tem uma forma menos íngreme.

Nossos irmãos da Microsoft adotaram a abordagem de fazer a curva de aprendizado o mais superficial possível. O objetivo final é destruir qualquer barreira à entrada, remover qualquer exigência de conhecimento inicial ou a aprendizagem de como e por que, e de tornar o sistema simplista o suficiente para que ele possa ser usado sem qualquer compreensão de como ele funciona.

Já a multidão do Unix tomou o caminho inverso. O Unix tem uma curva de aprendizagem, ele não protege o usuário de complexidade. Deleita-se com a complexidade. Reconhece que um computador de uso geral é um dispositivo diabolicamente complicado e capaz de fazer uma variedade inacreditável de coisas. Ele reconhece que o computador é uma ferramenta do usuário, e assim tem uma filosofia de ferramenta de construção. Permite que o usuário combine as ferramentas como quer. Não é destinado a tornar as coisas fáceis, está destinado a tornar as coisas possíveis. Faz de cada usuário um ser livre para criar e revolucionar o mundo se assim o usuário quiser e for capaz de fazê-lo.

Até agora, tudo deve soar bem familiar. Podemos então ousadamente afirmar que a galera do Unix entende do Windows muito melhor do que a multidão do Windows entende de Unix. Olhe para as filosofias de base. A filosofia Unix é baseada no entendimento completo; e a filosofia do Windows é baseada no Windows e sua simplicidade completa. As duas filosofias acreditam que a outra é inferior. Mas o lado do Unix se esforça em aprofundar, enquanto o lado do Windows se esforça em simplificar. Agora, vamos olhar para os efeitos dessa diferença nas curvas de aprendizagem. Há dois efeitos principais: um deles é psicológico sobre o usuário e o outro é tecnológico.

windows negação estúpido

Efeitos sobre Usuários

As curvas de aprendizado têm um impacto profundo na vontade das pessoas em saber mais. E pode até mesmo afetar a percepção do valor da aprendizagem. Pressuposto básico: toda melhoria é boa. Mais é preferível a menos. Ou seja, compreender algo que anteriormente não é compreendido e aprender mais, quase que invariavelmente, permite que você faça as coisas melhor e mais rápido. Abre novas portas para a compreensão de como algo é feito e ainda permite que você descubra novas coisas que você nem sabia que existiam.

Um dos problemas é a motivação. Todo professor sabe que tentar ensinar alguém que não se importa é uma tarefa dolorosa, mas quando há um aluno motivado o professor tem que trabalhar muito para manter o fluxo de informações a ele tão rápido quanto ele está devorando. E esses alunos são os únicos que fazem todo o processo de ensino valer a pena. Não é divertido nem produtivo tentar enfiar goela abaixo o conhecimento a pessoas relutantes. O verdadeiro desafio do ensino está em manter seus alunos motivados para aprender.

Agora, vamos aplicar as curvas de aprendizagem a tudo isso. Para fazer uso de um sistema Unix, você tem que subir uma curva íngreme. Há um pouco de trabalho no início e o conhecimento que você tem que adquirir é apenas um nível básico de proficiência. É preciso algum investimento de tempo para se chegar ao ponto onde você possa fazer mais do que apenas olhar. Então, se no momento alguém tem um conhecimento prático nos sistemas Unix, eles se esforçaram para isso. Em contraste, a curva de aprendizagem superficial do Windows permite uma integração muito rápida e fácil. A pessoa pode ganhar um conhecimento para trabalhar no Windows em uma hora. Não requer qualquer estudo ou muitos questionamentos. Levando em conta dois usuários, um que investiu tempo e esforço para obter conhecimento em Unix e outro que investiu nada para ganhar conhecimento em Windows, qual deles vai ter a motivação e a inclinação para seguir em frente e continuar aprendendo?

Uma pessoa fica com a impressão de que “eu não preciso aprender nada, o computador faz isso pra mim!”, e, portanto, não tem nenhuma razão para acreditar que aprender mais vai melhorar a sua experiência. Afinal de contas, eles não precisaram aprender coisa alguma para chegar até aqui. E além disso, há a questão do investimento. Se a pessoa não investiu nada para usar o computador, então ela terá muito menos motivação para investir. Sempre estará menos comprometida com a melhoria daquilo que conseguiu rápido, do que com algo que já demandou muito esforço.

Já nosso amigo do Unix, pelo contrário, naturalmente fica com a impressão de que “eu posso fazer X, Y e Z com o que eu já aprendi, eu me pergunto do que eu vou ser capaz de fazer com o próximo lote de coisas que eu vou aprender?”. Esta é a atitude do “bom aluno”! Ele já reconhece que a aprendizagem deu-lhe uma recompensa tangível e já está motivado naturalmente para o que vem em seguida. Além disso, como mencionado acima, ele investiu nesse evento, o que o torna muito mais inclinado a investir mais.

Muito em breve, ele se atentará para o fato de que usar computadores não é algo que você aprende e pronto acabou; é algo que se aprende e se aprende, se aprende cada vez mais. Não é um item, é um universo. Tentar reduzir a computação às coisas que já existem e dividir tudo em apenas duas categorias, as que “pode” e as que “não pode” fazer, é um dos maiores desserviços que você pode fazer no universo do uso do computador. Quanto mais você aprende, mais você conhece o que ainda há para ser aprendido. Aqueles que aprenderam praticamente nada, muitas vezes eles nem sequer percebem que há mais a ser aprendido, além de não ter qualquer inclinação para aprender.

evolução windows linux

Efeitos sobre o sistema

Nós estabelecemos que a inclinação da curva de aprendizagem pode ter um efeito profundo sobre as futuras potencialidades de um usuário. Mas também pode afetar o próprio sistema. Você não pode mudar parte do comportamento de um sistema sem que isso tenha um efeito cascata em todo o sistema. Vamos dar uma olhada em como o Windows achatou a curva de aprendizado.

Todos os dias você se depara com uma série de coisas que possuem opções “avançadas”. Motores de busca na Web, formulários de imposto de renda, etc. O que as torna “avançada”? Ora, elas têm mais opções! “Avançado” é realmente um eufemismo para “mais poderoso”. Agora vem a parte divertida. Vamos reverter isso. “Simples” e “simplificado” realmente significa o mesmo que “simplista”, que pode ser livremente traduzido para “menos potente”. E, mais ainda, como “menos flexível” e “menos configurável”. Eureca!

Você se lembra que já vimos que “aprender mais invariavelmente permite que você faça as coisas melhor e mais rápido?”. Pois bem, nada poderá ajudá-lo quando você estiver em um sistema inerentemente limitado. Há um teto rígido, um certo nível pelo qual você simplesmente não poderá avançar. Logo, vem a pergunta: por que você vai se preocupar em continuar a aprender se não vai ganhar coisa alguma? Ou seja, deixar de avançar o seu conhecimento em um sistema através da filosofia Unix vai colocá-lo em uma grande e crescente desvantagem em relação àqueles que o fazem. Já deixar de avançar o seu conhecimento em um sistema sob a filosofia do Windows não irá causar muitos estragos, porque há um limite máximo infinitamente menor do quão longe você pode ir.

O Windows conseguiu sua simplicidade inerente removendo opções. E isso foi feito com tanta habilidade que a menos que você tenha experiência com outros sistemas, você nunca vai notar essa falta. Ao remover opções, com certeza, você torna mais rápido e mais fácil a aprendizagem. Há menos a aprender. Ao remover opções flexíveis e poderosas, como as linhas de comando, você joga um monte de conhecimento fora. Ao apresentar grandes ferramentas polivalentes e integradas, você torna muito mais rápida a aprendizagem de uma determinada tarefa, mas você retirou uma flexibilidade infinita de pequenas ferramentas.

Conclusão

Cada pessoa é diferente. Cada pessoa pensa de maneira diferente. Agem, reagem, examinam, aprendem e trabalham de maneiras diferentes. Mas com um sistema projetado, você está severamente limitado no quanto pode mudar. As ferramentas não foram projetadas para serem mudadas. Elas são projetadas para trabalhar de uma determinada maneira. Uma filosofia mais simplista de trabalhar decide o que é melhor para você. Você começa a viver como alguém decidiu que era melhor pra você. A filosofia do Windows realmente se resume a deixar alguém dizer como as coisas serão. A filosofia Unix é uma doação de ferramentas e meios para usá-las permitindo que cada pessoa use-as como melhor lhes convier. Uma das citações mais comuns sobre o Unix é: “O Unix não impede você de fazer coisas estúpidas porque isso impediria também as coisas inteligentes.”

Você não pode fazer apenas o trivial além de destruir o próprio poder e a flexibilidade que possuem os computadores. Aceite que vai dar trabalho. Aceite que os computadores vão levá-lo à aprendizagem. Aceite que vai demorar esse processo de tentativa e erro. Ao fazer isso, você vai descobrir que lidar bem com a tecnologia não é como abrir um envelope e ver o que está dentro; é como analisar uma rosa aberta, pétala por pétala… e não se importar com o tempo. Porque haverá sempre uma outra pétala mais bela logo abaixo.

Helbert Rocha

Business & Linux Admin | Digital Mkter | Live in Rio | Love Jesus
Google+

  • Nathanael
    Google Chrome 42.0.2311.90 Google Chrome 42.0.2311.90 no Windows 8.1 x64 Edition Windows 8.1 x64 Edition

    Não concordo com o seu artigo, confesso que não li ele totalmente mas procurei assimilar as palavras chaves do contexto e não concordo.
    Ainda bem que você explicitou que cada pessoa pensa de forma diferente.
    Já usei Windows, já usei Linux, já usei Unix, já usei Linux de novo e agora uso Windows, enfim… essa questão de curva de aprendizado é muito relativo, já vi pessoas fazerem maravilhas na frente de um PC com Windows assim como já vi gente simplesmente olhar para um PC com Linux e se ver em uma mato sem cachorro e em todos os casos eram pessoas experientes. Enfim. Até…

    • VaGNaroK
      Firefox 37.0 Firefox 37.0 no Ubuntu x64 Ubuntu x64

      Você não entendeu bem o contexto aqui, o que faz o usuário de windows ser estúpido é simplesmente ele não ter a mesma face dos sistemas unix… não tem como saber como o sistema funciona, não tem como saber como o aplicativo de conexão da internet faz para ter acesso a internet, ou seja se o sistema é fechado não tem como você saber tudo sobre ele e não tem como obter conhecimento. Se eu compro um carro eu quero saber como ele funciona, para se por acaso ele quebrar eu mesmo conserte.

      • Unknown Unknown no Unknown Unknown

        Isso é relativo VaGNaroK

        Pois as pessoas hoje em dia não querem saber de muitas coisas, principalmente arrumar algo (Carro) como você citou, seria ótimo se isso ocorresse pois teríamos menos trabalho com coisas inúteis que os usuário fazem com o seu micro; Lembra do VB? a microsoft quando o lançou dizia que todos os usuários iriam eles mesmos criar os seus próprios programas, hoje isso muito pouco acontece. O que eu vejo é um comodismo tão real que as pessoas tem preguiça até de comer, mas isso não ocorre pelo o motivo citado no texto mas sim pelas pessoas que hoje são realmente “Preguiçosas” até para ir ao banheiro!

        Pare e pense um pouco, e eu não estou confrontando você ou alguém apenas expondo o que é o mundo real hoje e que poucos querem ver!

        Att.

        Marcos Paulo dos Santos
        CEO (Chief Executive Officer)
        E-mail: syllicon@syllicon.com.br
        Site: http://www.syllicon.com.br/

  • Paulo Wink
    WebView 4.0 WebView 4.0 no Android 4.4.2 Android 4.4.2

    Parabéns pelo artigo. Fazia tempo que eu não lia algo tão bom. Mais uma vez, meus parabéns. Vou compartilhar esse artigo com meus colegas da área de TI e com alguns usuários Linux, porque os de Windows certamente teriam muita dificuldade em entendê-lo kkkkkk. Abraços.

  • mrck
    Google Chrome 39.0.2171.93 Google Chrome 39.0.2171.93 no Android 5.0.2 Android 5.0.2

    Magnifico, artigo de mérito, colocou aqui a experiência de muitos de nós. Hoje uso mais de 80% linux, e confesso que tenho menos trabalho, em somente me proteger com ele. Isso já me satisfaz em n fatores. Já o Windows reconheço seus méritos como sistema, justamente pela simplicidade, mais a analogia de aprendizado e realmente muito clara. Adorei o artigo e acredito ter me adicionado mais conhecimento sobre sistemas operacionais, não ligados a usabilidade.
    Parabéns e invista mais em artigos assim, a sociedade agradece.