Ubuntu vs Mint: qual é o melhor?

Ubuntu vs Mint. Essas são as mais populares distribuições Linux, mas quais são as suas diferenças e qual delas é a melhor? O Linux Mint dá a cada nova versão um nome feminino terminado na letra A. Já o Ubuntu apresenta suas versões com um número que representa o ano e o mês de lançamento da versão. Essas são apenas características superficiais desses dois excelentes sistemas. Vamos continuar aprofundando nossos conhecimentos nesses dois sistemas? Contamos com a sua presença nessa jornada.

História

Nem todo mundo que se afasta do Windows adquire necessariamente um Mac. E se você ainda gosta do seu computador antigo, mas não quer que ele execute um sistema operacional da Microsoft, instalar o Linux pode muito bem ser o caminho a seguir. Há muitas versões do Linux mas duas delas são as mais populares: Mint e Ubuntu, e ambas são boas opções para o usuário iniciante. No entanto, quais são as diferenças entre as duas distribuições?

Se você é novo no Linux, você pode não saber disso, mas o Linux Mint é baseado no Ubuntu. E o Ubuntu é baseado no Debian. A primeira versão do Ubuntu foi lançada em outubro de 2004 e desde então fornece atualizações a cada seis meses. Seus pacotes são baseados no formato de pacote deb do Debian (.deb). O Debian surgiu pela primeira vez em 1993. O Linux Mint foi lançado em 2006. Baseava-se no KDE do Ubuntu (conhecido como Kubuntu) e usava repositórios de software do Ubuntu. Há duas versões do Linux Mint por ano que saem cerca de um mês depois da atualização do Ubuntu. Enquanto o Ubuntu tem a Canonical por trás para executar o seu desenvolvimento, o Linux Mint depende apenas de usuários individuais e empresas que utilizam o sistema operacional para atuar como patrocinadores, doadores e parceiros. Os comentários de todas as partes ajudam as decisões sobre o seu desenvolvimento.

Ubuntu vs Mint

Interfaces

Antes de entrarmos nas interfaces, vamos continuar falando sobre os nomes. O Ubuntu também usa apelidos nas suas versões. Esses apelidos consistem de um adjetivo e o nome de um animal mas que comece com a mesma letra do adjetivo. Por exemplo: a versão 15.04 se chama “Vivid Vervet”. Tá bom! É uma baita babaquice. Vamos pular então para as interfaces. Embora o Mint seja baseado no Ubuntu, eles desenvolveram seus próprios desktops, e eles são completamente diferentes. É como se o Linux Mint se parecesse mais com o Windows (XP, Vista, 7), enquanto o Ubuntu se parece mais com o OS X.

O Ubuntu usa uma interface chamada Unity que possui um dock lateral na esquerda da tela. Ele agrupa ícones para diversas aplicações, como Firefox e Libre Office. Na direita da barra de menu no topo da tela ficam ícones menores para rede, língua, som, hora, data e outras coisas. Outras aplicações podem ser acessadas a partir do menu Dash do Ubuntu, clicando no ícone localizado na parte superior do dock. Ali você pode digitar o nome de um programa que pretende encontrar e o Dash vai tentar localizá-lo.

Já o Linux Mint tem uma interface chamada Cinnamon. É semelhante ao Windows pois coloca a barra de tarefas na parte inferior e tem um menu Iniciar semelhante ao SO da Microsoft. Aplicativos abertos ficam como um botão (novamente muito parecido com o Windows 7). Atalhos também podem ser adicionados à barra de tarefas, que pode parecer um pouco pequena no modo padrão.

Ambas as abordagens têm vantagens e desvantagens. O Mint é muito mais fácil para navegar e encontrar aplicativos, enquanto que o Dock do Ubuntu pode ser muito útil em determinadas situações. No mais, o Mint é mais fácil para os iniciantes pesquisarem.

Qual o seu gosto?

Há outras distribuições variantes tanto do Ubuntu quanto do Linux Mint. Para o Ubuntu, há uma variedade de versões desktop com diferentes ambientes de desktop. Tem o Ubuntu GNOME, Kubuntu (KDE), Lubuntu (LXDE), Xubuntu (Xfce) e Ubuntu MATE. O Linux Mint vem com Cinnamon ou MATE, mas também existem versões em KDE e Xfce. Versões em GNOME, LXDE e Fluxbox não estão mais sendo desenvolvidos.

Performance

Se você tem uma máquina relativamente nova a diferença entre Ubuntu e Linux Mint pode não ser tão perceptível. O Mint pode parecer um pouco mais rápido no uso do dia a dia, mas no hardware mais antigo ele será muito mais rápido. O Ubuntu fica mais lento quanto mais velha a máquina é. O Linux Mint fica mais rápido ainda quando roda o MATE, assim como o Ubuntu.

Custo

Nem o Ubuntu, nem o Linux Mint custa algo para comprar. O Linux Mint é um projeto dirigido pela comunidade, e como tal, depende de doações dos usuários, patrocinadores (como empresas de hospedagem) e parceiros (que dão o apoio, suporte e serviços). O Ubuntu é de uma empresa comercial. Você é livre para baixar, instalar e usar o Ubuntu, mas se você precisar de suporte profissional isso tem um preço.

Atualizações

Tanto o Linux Mint quanto o Ubuntu são fáceis de usar. Para atualizar o Ubuntu basta clicar no ícone do Software Updater ou Atualizador de Software. Ele, então, verifica se há atualizações (tanto para o sistema operacional e as aplicações), transfere-as e instala-as. No Linux Mint é um processo muito semelhante. Você usa o Update Manager para atualizar o sistema operacional e os aplicativos.

Resumo da ópera

Ambos os sistemas operacionais vêm com uma série de aplicativos pré-instalados, como navegadores web, mensageiros instantâneos, tocadores de música e vídeo, editores de imagem e assim por diante. Dito isto, se você quiser um aplicativo que não está instalado, os dois sistemas operacionais têm “App Store”, onde você pode o encontrar facilmente e fazer o download do programa. O Ubuntu também possui aplicativos pagos, enquanto o Linux Mint não. A Canonical tem feito grandes esforços no sentido de colocar o seu Ubuntu nos desktops de usuários corporativos. Também tem conseguido emplacar em alguns fabricantes de PC uma pré-carga do Ubuntu para desktops e laptops.

Já o Linux Mint é muito voltado aos entusiastas. Não há preocupação aparente em comercializar essa distribuição para as empresas. Apenas em ser um substituto capaz de encantar aquele usuário do Windows 7 (ou mesmo XP) que não tem nenhum desejo de mudar para o Windows 8 ou 10.

Se você tem um hardware mais novo e quer pagar por serviços de suporte, o Ubuntu é o único caminho a seguir. No entanto, se você está procurando apenas uma alternativa despretensiosa ao Windows, Linux Mint é a sua escolha. É uma decisão realmente difícil porque o Unity não cai no gosto de todos, e o Cinnamon pode parecer um pouco antiquado. No final, a escolha acaba sendo uma questão de preferência.

Helbert Rocha

Business & Linux Admin | Digital Mkter | Live in Rio | Love Jesus
Google+